Visitantes online

contador de visitas
, ,

Uma ironia do destino enviada por Deus

sexta-feira, julho 26, 2013


Esta noite fui dormir um tanto chateada... Acordei durante a madrugada e fiquei repensando minha luta pelos surdos completamente perdida em meus pensamentos. Tem uma música com este verso, eu acho.

Perdido em meus pensamentos
É que eu me sinto tão só
Na boca um sabor de veneno
No peito aquele nó...

Sim, acabei de lembrar. É uma música do Fagner, Coração Alado. Rsrsrsrsrsrsrs. Como eu adoro Fagner.
Bom, perdida em meus pensamentos, refiz toda a minha trajetória até conhecer a Libras. 


Me perguntei várias vezes porque escolhi esta profissão. Adoro o que faço, mas a situação anda difícil... Tanto financeiramente como profissionalmente. As pessoas não reconhecem meu trabalho que é mal remunerado, ignoram os surdos e eu sofro junto com eles.

Me bateu uma vontade louca de ligar pra alguém e desabafar. Mas chorei bastante e conversei com Deus. Pedi que ele me desse um sinal, para que eu soubesse se estava no caminho certo.





Agora há pouco ao abrir meu e-mail, me deparei com várias mensagens de surdos de todo o Brasil. Alguns me fizeram confidências, como de costume. Outros me contaram a história de suas vidas.


Mas o que me chamou a atenção, foi o relato de uma mulher, que certamente foi o sinal de Deus que eu pedi. Vou compartilhar com vocês, mas como sempre faço com todos que me enviam mensagens, não posso revelar o nome, cidade, NADA.


“Ângela, admiro seu trabalho e soube há poucos dias que vc é ouvinte, quando vc postou o vídeo cobrando as legendas da Dilma. Eu jurava que vc era surda. Sua escrita não denuncia qualquer erro de português e eu pensei que vc tivesse perdido sua audição há algum tempo e por isso resolveu lutar pelos surdos. Leio todas as suas postagens na sua página e sou seguidora do seu blog.


Querida amiga virtual, eu nasci ouvinte e vou lhe contar minha história. Mas não gostaria de ter meu nome divulgado.


Eu fiz duas faculdades: Letras e Comunicação. Em ambas, Libras ainda era optativa. Eu dei um jeito de não cursar a matéria, já que a mesma não reprovava. Não entendia pra quê estudar uma coisa que eu jamais iria usar.


Devido à uma endometriose, não pude ter filhos. Eu e meu marido entramos na fila da adoção. Quando surgiu uma criança, fomos ver. Era um casal de irmãos. O orfanato impunha a condição de que ambos deveriam ser adotados pelo mesmo casal, para que os irmãos não fossem separados. O problema? O garoto era surdo. Eu de cara recusei. Pois tinha preenchido uma ficha cadastral, feito entrevista com assistente social onde respondi todos os itens sobre adotar uma criança cega, surda, down, negra, com problemas físicos graves, etc... Eu fui sincera. Ninguém quer uma criança deficiente. Não adotamos. Na época o garoto estava com quase 2 anos e a garota com quase 4.
Após seis meses, sofri um acidente grave de carro. Um bêbado cruzou a pista e bateu em nosso carro. Eu perdi a audição em ambos os ouvidos. Fiz cirurgia, vários tratamentos... Mas não adiantou. Me tornei surda de repente.
Meu casamento não sobreviveu à minha surdez. Meu marido queria que eu usasse aparelho e eu não conseguia. Não conseguia distinguir os sons, vozes... Nos separamos e eu me vi sozinha num silêncio enorme. Ir ao cinema já não era minha atividade favorita. Eu não ouvia o som dos efeitos especiais, a música. Ver televisão então... Tive que comprar uma que tivesse closed caption para poder entender o que se passava na tela.
Esta semana morreu Dominguinhos e me dói saber que nunca mais vou poder ouvi-lo. Isso é minha maior dor. Saber que nunca mais vou ouvir tanta coisa que já ouvi. 


Até minha voz começou a ter problemas. Como eu não escutava minha própria voz, comecei a falar alto demais e os amigos foram se afastando. 


Então, fui aprender Libras. Fui aprender algo que neguei e não me permiti sequer conhecer.


Aprendi Libras, sou professora universitária, presidente da Associação de Surdos da minha cidade e hoje luto pelos direitos dos surdos também. Tenho uma filha ouvinte e um filho surdo. Lembra o casal do orfanato que citei no início da história? Fui visitar o orfanato e eles ainda estavam lá. Legalizei a guarda quando meu filho estava com quase 4 anos e minha filha com quase 6.
Em dois anos minha vida deu uma guinada de 360 graus. Hoje meu filho está com 8 anos e minha filha com 10. Eu e meu marido nos reaproximamos por causa das crianças e estamos felizes. Ele sempre quis filhos que eu nunca pude dar. Meu filho estuda em escola normal e eu consegui junto ao Ministério Público que a lei fosse cumprida. Eu sou instrutora dele e de mais 4 coleguinhas durante as aulas.
Hoje sei que a vida de uma pessoa surda não é fácil. Portanto, admiro seu trabalho e continue na sua luta. A minha luta pelos surdos foi uma ironia do destino. A sua foi abençoada.”


Nossa, eu só tive que agradecer. Uma história que teve um final feliz. Sem palavras para descrever esse momento.

Leia Também

8 comentários

  1. Querida, sei que você já leu o post. Pois como combinado, não citei seu nome, nem de onde você é e enviei o texto primeiro para sua aprovação. Eu fico muito feliz que tudo tenha se encaixado na sua vida. Muito obrigada por partilhar sua história de vida comigo. Que Deus abençoe sua família e seus filhos. Obrigada pelas fotos. Eles são lindos!!! Bjus

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Maravilhosa mesmo Karol Lopes. Obrigada por sua visita.

      Excluir
  3. Lindo depoimento Ângela Libras. Faz realmente com que vc persevere sempre em sua luta pelos surdos. Acredite, vc não está sozinha. Pena que não podemos abrir a cabeça de pessoas que detêm o poder e colocar lá dentro o que deveria ser feito já que a Lei determina. Acredito em Deus e tenho certeza de ELE tb vê sua luta e tem uma luz nesse fim do túnel. Vc conseguirá e todos agradecerão, não só os surdos, mas todos, pois seguirão seu exemplo de não desistir. Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Lindo depoimento Ângela Libras. Faz realmente com que vc persevere sempre em sua luta pelos surdos. Acredite, vc não está sozinha. Pena que não podemos abrir a cabeça de pessoas que detêm o poder e colocar lá dentro o que deveria ser feito já que a Lei determina. Acredito em Deus e tenho certeza de ELE tb vê sua luta e tem uma luz nesse fim do túnel. Vc conseguirá e todos agradecerão, não só os surdos, mas todos, pois seguirão seu exemplo de não desistir. Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Lindo depoimento Ângela Libras. Faz realmente com que vc persevere sempre em sua luta pelos surdos. Acredite, vc não está sozinha. Pena que não podemos abrir a cabeça de pessoas que detêm o poder e colocar lá dentro o que deveria ser feito já que a Lei determina. Acredito em Deus e tenho certeza de ELE tb vê sua luta e tem uma luz nesse fim do túnel. Vc conseguirá e todos agradecerão, não só os surdos, mas todos, pois seguirão seu exemplo de não desistir. Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Lindo depoimento Ângela Libras. Faz realmente com que vc persevere sempre em sua luta pelos surdos. Acredite, vc não está sozinha. Pena que não podemos abrir a cabeça de pessoas que detêm o poder e colocar lá dentro o que deveria ser feito já que a Lei determina. Acredito em Deus e tenho certeza de ELE tb vê sua luta e tem uma luz nesse fim do túnel. Vc conseguirá e todos agradecerão, não só os surdos, mas todos, pois seguirão seu exemplo de não desistir. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rosemary, tudo bem? Mil desculpas pela demora. E obrigada pelo carinho. beijo sinalizado. :)

      Excluir

Seu comentário é muito importante!
Obrigada

Os mais lidos

Meu canal no Youtube

Loading...